Em janeiro de 2010, foi lançado o Projeto Beth Bruno em Santarém, no Pará.

No lançamento a coordenação abriu um espaço para escutar aqueles que estariam diretamente envolvidos no projeto, a fim de entender os problemas de saúde na região, as principais doenças, os meios de tratamento disponíveis e, principalmente, o interesse destas pessoas na proposta do projeto. Além disto, desde o primeiro momento a coordenação deixou claro a este grupo que o Projeto não era de uma ONG, mas pertencia a eles. Eles seriam os principais atores desta história que se iniciava.

A partir dessa conversa o projeto foi alinhavado e os encontros de formação foram realizados.
O escopo inicial contemplava uma formação de 300 horas, que foram dadas em encontros semestrais. Ao todo, foram 6 encontros de formação. O último ocorreu entre os dias 10 e 14 de outubro de 2012.

Os agentes chegaram muito animados, contando casos de sucesso que obtiveram em suas comunidades, a partir do conhecimento adquirido no Projeto.

Os últimos conteúdos de Homeopatia Popular foram dados por Marialva Costa, Edna Amaral, de Cuiabá e João Carlos Silva, de Rondônia, agricultor e grande conhecedor de agroecologia. João Carlos falou com os agentes sobre o uso de homeopatia nos cuidados com a terra e com as plantas utilizadas não apenas na preparação de chás e remédios caseiros, mas também na alimentação.

No sábado e domingo, foi a vez dos florais de Bach. As aulas foram ministradas pelo Padre José Dillon e por Luciana Chammas, ambos de São Paulo. Os agentes de saúde tiveram dois dias para estudar os 9 últimos florais dos 19 Complementares e se aprofundar no estudo de casos. Desta vez, utilizamos casos que foram trazidos por eles, valorizando seu trabalho como terapeutas, ao mesmo tempo em que abríamos a oportunidade de estudar histórias daquela realidade.

Além da Homeopatia Popular e dos Florais de Bach, Zheca Catão, Terapeuta Floral de São Paulo, deu mais uma aula de Diretrizes no Atendimento Terapêutico, um conteúdo muito apreciado pelos agentes e, segundo eles, essencial para sua formação.

Paralelo à formação que acontecia, os agentes de saúde também tiveram a oportunidade de passar pelo atendimento terapêutico, realizado por Lizete de Paula, Presidente do Conselho Nacional de Auto-regulamentação da Profissão de Terapeuta Floral e Zheca. Este atendimento foi instalado no Projeto a partir do 3º. encontro e teve como propósito cuidar daqueles que seriam os cuidadores em suas comunidades, estimulando estes agentes a se olhar e usar os remédios que iriam indicar.

Formação encerrada, o grupo foi para Santarém. Em uma missa solene, na Igreja de São Raimundo, os agentes de saúde foram apresentados à comunidade e depois, num jantar no salão paroquial, toda a comunidade foi convidada a assistir a entrega dos certificados.

Foi um encontro muito emocionante, já que daqui para frente o Projeto continua, mas em outro formato.

Neste último encontro, a coordenação se emocionou com evolução dos agentes, uma postura mais segura e uma abordagem mais positiva destas pessoas.

Segundo Zheca Catão, que acompanhou o grupo como Terapeuta Floral e como educador, as pessoas que ele conheceu em seu primeiro contato com o Projeto estão completamente diferentes daquelas que ele encontrou nesta última reunião. Ele reconhece que ouve uma evolução muito grande dos indivíduos e do grupo como um todo.

Do mesmo modo, Edna ressaltou uma mudança de atitude. No início, os professores e coordenadores dirigiam e orientavam os grupos quanto aos atendimentos. Neste último encontro, os agentes adotaram uma postura mais ativa, solicitando materiais, florais, frascos, questionando o atendimento e trocando experiências entre eles.

Quando nos lembramos do evento de lançamento, quando a coordenação disse aos agentes de saúde que o Projeto pertencia àquele grupo, ela estava dizendo a estas pessoas que acreditava em seu potencial, em sua dedicação e amor ao próximo e em sua responsabilidade profissional.

Neste último encontro de formação, estes agentes nos provaram que quando acreditamos no potencial dos seres humanos e os alimentamos com conhecimento, iniciamos um processo de transformação que se inicia no indivíduo e acaba por levar mudanças a toda a sociedade.

Obrigada a todos que abraçaram este sonho e trabalharam no ancoramento de uma ideia que nasceu da vontade de transformar um pedacinho do mundo por meio do cuidado do ser humano.

Veja as fotos do evento

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nenhum comentário

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado